A sigla BI-RADS se refere a Breast Imaging Reporting and Data System. Isto é, Sistema de Relatórios e Dados de Imagem da Mama. De acordo com a American College of Radiology, atualmente essa classificação fornece terminologia padronizada também para ultrassom e ressonância magnética da mama, além da mamografia. No laudo, o médico radiologista vai descrever o achado (nódulos, cistos, calcificações, linfonodos etc.). Depois, ele classifica o achado dentro do BI-RADS®. Essa classificação vai ajudar o médico que solicitou o exame a adotar a melhor conduta terapêutica para o paciente. Isso facilita a comunicação sobre os resultados e o acompanhamento após as terapias.

Classificações do BI-RADS
Esse sistema classifica os resultados em categorias numeradas de 0 a 6. Entenda o que é o BI-RADS em cada fase.

 

BI-RADS (0): Entram nessa categoria achados que não são necessariamente graves. O médico radiologista entende que podem ser usados outros exames para esclarecer. Por exemplo, se o achado foi descoberto em uma mamografia, pode ser solicitado um ultrassom. A American Cancer Society descreve a BI-RADS® 0 como necessária uma avaliação adicional da imagem e/ou comparação com mamografias anteriores.

BI-RADS (1): Esta categoria indica que não foi encontrada nenhuma anormalidade significativa nas mamas a ser relatada. Ou seja, que não há massas ou calcificações suspeitas na área.

BI-RADS (2): Esta classificação indica um achado benigno que não acarreta nenhuma ameaça à paciente. Os achados benignos incluem calcificações secretoras, cistos simples, lesões contendo gordura, fibroadenomas, implantes e linfonodos na mama.

BI-RADS (3): Nessa categoria o médico relata o achado como provavelmente benigno. De acordo com a American Cancer Society, os resultados desta categoria têm uma chance muito alta (superior a 98%) de ser benigna. A recomendação, em geral, é acompanhamento do achado a cada 6 meses até que a descoberta seja estável.

BI-RADS (4): A categoria 4 mostra que o achado necessita de uma amostra física para ser melhor avaliada, ou seja, é necessário fazer uma biópsia ou punção das mamas. O achado é suspeito e a chance de ser câncer nessa classificação é de cerca de 30%. Todos os achados precisam passar pela biópsia. Nessa categoria, há uma subclassificação:

4A – o risco de ser maligno é de 2% a 10%

4B – o risco de ser maligno é de 10% a 50%

4C – o risco de ser maligno é maior de 50% e menor que 95%.

*Este percentual está inserido no percentual do total de até 30% conforme citado acima.

BI-RADS (5): Essa classificação indica que o achado médico é altamente suspeito, com 95% de chance de ser câncer. Como não há certeza, a biópsia é sempre indicada.

BI-RADS (6): Nessa categoria entram os exames de pacientes que já são portadores de câncer e já realizaram outros exames de imagem. O câncer que aparece, portanto, já é conhecido.

Leave a Reply